Mariana Ribeiro

Mariana Ribeiro

Estávamos no Porto numa daquelas manhãs tão características da cidade: cinza, chuvosa e fria. Já por diversas vezes glorificámos esta nostalgia tão maravilhosa, mas parece que nunca é demais, de facto, o degradé que surge diante dos nossos olhos ainda meios acordados, confere algo de especial e familiar que nos parece sempre merecedor de destaque.

Para contrariar esta melancolia do início da manhã, esperava-nos uma convidada com energia, espontaneidade e vigor, acima do barómetro considerado regular.

Designer, Directora Criativa e uma fashion/art globetrotter decidida a seguir com determinação as suas paixões e gut feelings.

Mariana Ribeiro, recebeu-nos em sua casa, falou-nos sobre a sua vida e os seus mil e um projectos. #staytuned

 

Produção e Texto: Margarida Marinho

Fotografia: Dulce Daniel

Maquilhagem e Cabelos: Maria Luis

Ler Intro

13

She

Filha de mãe Geóloga e pai Engenheiro, naturalmente ligados a área das ciências exactas, Mariana puxou mais ao lado criativo da família. Conta que, desde cedo, sentiu uma forte inclinação pelo belo em si, por tudo o que lhe despertasse uma sensação de curiosidade, de estranheza ou admiração. Tinha uma clara predilecção por objectos e pela sua estética.

Com alguns tios designers na família e, na altura da decisão sobre a qual supostamente assenta o futuro das nossas vidas, essa influência parece ter ajudado a balança a pender para a área mais artística do que para área das ciências: fez os exames e entrou em Design de Comunicação.

Com a ironia e boa disposição que a caracterizam, Mariana, revela que a dada altura os pais chegaram a sugerir que fosse para Arquitectura, mas apesar de, no secundário, ter frequentado alguns cursos de desenho e pintura, confessa: “Era péssima a tridimensional e, basicamente, não sabia o que era um ponto de fuga!” #thankgod

Formada em Design de Comunicação e, posteriormente, com um Master em Marketing e Serviços de Luxo, Mariana conta que desde cedo começou a trabalhar e a traçar os seus objectivos.

Estava ainda no primeiro ano da faculdade, com 18 anos, quando decidiu fundar a Supply, uma agência de design de comunicação na qual começou a trabalhar com mais dois amigos. A frequentar o segundo ano da faculdade, e já com uma interessante carteira de clientes, decidiu ir estudar para Madrid. Ficou lá um ano e confessa ter sido tão incrível que foi convidada pelos seus pais, a regressar mais cedo do que o desejado! #toomuchfun

Voltou ainda com mais ideias, outro fôlego associados a um know-how que a levaram a frequentar as aulas em horário pós-laboral para se conseguir dedicar ao seu negócio, ao seus clientes e comandar as rédeas de um percurso em rota ascendente.

Já aqui tínhamos referido que Mariana é uma pessoa destemida e que “quando vai, vai com tudo”. Isto para explicar que depois de um fim-de-semana no Douro, passado com os seus BFF’s que vivem na Big Apple, decidiu que, mesmo tendo a agência, iria para NYC passar uma temporada e, quiçá, trabalhar. E assim foi:  3 meses que lhe proporcionaram experiências incríveis, algumas de fazer hiperventilar qualquer VIP. Mariana acabou por fazer um internship na Lloyd & Co, uma agência de comunicação direccionada para o segmento do Luxo, que trabalhava para marcas como Tom Ford e celebridades como Justin Timberlake. Apesar do gap horário, Mariana continuava a assumir os seus clientes na Supply, agência que manteve durante 14 anos.

Um início difícil, mas que acabou por se tornar numa experiência marcante e que, acima de tudo, serviu para diminuir as suas eventuais inseguranças numa área que “não é matemática”, para consolidar o seu valor e entender que o que fazia e faz por cá se coadunaria perfeitamente com o que se vai fazendo pela incrível e frenética “concrete jungle”.

Conta que foi um choque ter como primeira tarefa organizar a biblioteca da agência. Lembra-se de estar sentada, a pensar que tinha percorrido milhares de km e deixado uma vida em Portugal, para estar a organizar livros. No entanto, rapidamente deu a volta, parou as lamentações, começou a olhar à sua volta e a ver o incrível e imenso repertório que tinha à sua disposição e o quanto poderia aprender com ele. And so it was! Uns dias depois estava a trabalhar com o Director Criativo e delinear estratégias para marcas de renome.

Falámos de um capítulo da sua vida que remonta a 2007. Voltou para Portugal e decidiu avançar com uma das suas grandes paixões, outra, na verdade. O gosto pelos objectos do dia-a-dia, pela beleza em si, levou-a a criar, uma conceituada marca portuguesa de estacionário de luxo, a Fine & Candy. Conta que, num belo dia em que passeava pelo Porto, passou por um senhor que colocava um aviso de arrendamento numa loja e, nesse mesmo instante, sem hesitações, decidiu ficar com ela. Foi lá que juntou a agência, agora redireccionada para o mercado de luxo, ao seu novo projecto criando assim um novo conceito, o de uma boutique.

De personalidade forte, confessa que ainda assim é muito emotiva e que precisa de ter vários estímulos ao mesmo tempo. Facilmente se aborrece e acaba por perder o interesse. Daí estar constantemente com novos projectos e novas ideias; projectos aos quais dá forma e vida, em alguns casos num exercício de acrescentar valor a objectos que à partida não o teriam, como o caso dos notebooks, tornando-os autónomos para que, depois, possam seguir o seu próprio caminho.

Hoje, é co-founder e directora criativa de uma agência de marketing digital, com foco na área da moda.

Ler Capítulo 1

23

A sua casa, o seu reflexo

Extrovertida, espontânea, com um toque de excentricidade. Três adjectivos que definem Mariana e que se encontram espelhados pelos inúmeros detalhes da sua maravilhosa casa.

Entrámos, subimos as escadas iluminadas por uma imensa clarabóia e somos imediatamente impactadas por uma cruz XXL com uma inscrição awesome!

Continuámos e, ao atingirmos o final da escadaria tivemos uma visão panorâmica do loft uber-cool, com o toque sofisticado e jovem da nossa convidada. #wewanttolivehere

Clean, gráfico, minimalista, com um traços de irreverência concedidos por alguns trabalhos da sua autoria, nomeadamente o shape de skate forrado a vidro, a única peça de uma exposição que realizou e da qual não se quis separar, ou de trabalhos de amigos seus.

No entanto, confessa que não passa muito tempo em casa. Adora estar rodeada de amigos, todos muito diferentes entre si, compreendidos entre uma janela de idades surrealmente gigante, mas que a inspiram na mesma medida.

Festas. Adora e vai organizando algumas. Se tiver de ser em casa, tudo ok, aliás, o formato “open space” é ideal para a circulação dos convidados!

Ler Capítulo 2

33

Digital talks

Uma criativa, e como tal, de alma rebelde e metodologia muito própria. Explica que o trabalho flui muito melhor, se estiver envolvida em vários projectos em simultâneo. Graceja e diz:” trabalho melhor em duas horas do que em duas semanas”, é dessa adrenalina que acredita saírem os melhores resultados.

A verdade é que por muitos projectos que tenha, todos confluem, sendo o ponto de encontro a moda. Uma área pela qual sente uma afinidade particular e que comercialmente representa um negócio com grande interesse.

Há dois anos que se dedica a interpretar e criar relações entre esta área e o digital, num caminho que pretende diminuir hiatos e fomentar experiências inesquecíveis, que possam ir cada vez mais ao encontro das necessidades e desejos do cliente e da empresa/marca.

Um trabalho exigente que visa transformar uma plataforma de cariz técnico numa experiência super friendly e intuitiva.

Para além de uma boa dose de psicologia, profiling e análise existe uma outra parte igualmente desafiante que consiste em avaliar, modificar e eventualmente melhorar, em tempo real, o que é pensado e implementado estrategicamente.

Para Mariana, o online e o offline complementam-se, são apenas canais de comunicação diferentes sendo que, o futuro assenta precisamente nessa premissa. Naturalmente assistiremos a um crescimento e desenvolvimento do digital, com o objectivo de melhorar e facilitar o relacionamento e a experiência do cliente com a marca, a rapidez do processo e a assertividade na compra.

Mariana acredita que em Portugal ainda há muito para crescer no mundo digital. Contamos com a sua visão criativa, estética apurada e exigência, para antecipar tendências e comportamentos que nos ajudem a acelerar e fomentar esse crescimento.

 

Ler Capítulo 3

© 2017 L Manifesto